“EU, O PLANTIO DA COLHEITA MALDITA!”
     

    Geração 
    Cuja a maldição 
    é ser plantada
    em terra roubada
    E quando crescidas 
    raízes arrancadas 
    frutos de nada 
    Se afogam em tudo 
    Planta que colhe! 
     Planta morta vira 
    muda e muda o que? 
    Da mesma arvore 
    Os frutos iguais a nascer.
    Galhos secos, caule céticos
    Cópias perfeitas da imperfeição 
    Regadas a produtos sintético...
    O que se sabe sobre estar sóbria?
    Miragem de fazer pensar, onde foi parar 
    a tal luz própria?
    O que mata é esse machado nas costa
    Plantaram África, colheram Europa. 
    Ramos de Oliveira
    Hereditariedade
    Mais do mesmo 
    da falsa produtividade.
    De lembrar da luz
    criei espinhos. 
    Sugaram energias ao ponto de não saber 
    Me alimentar sozinho. 
    Hectares de ignorância, colheita de egos, 
    mundo pequeno! 
    Ainda bem que não sou Deus 
    Porque se fosse, carpia o terreno!

     
                 “Kamila Andradre"